23 de novembro de 2018

Programa Mão Amiga: citricultores de 14 municípios recebem cartão e senha


A partir da próxima segunda-feira, dia 26, inicia o ciclo de entregas de cartões e novas senhas aos beneficiários do Mão Amiga Laranja para trabalhadores da colheita em 14 municípios. No total, serão contemplados 4380 citricultores (sendo 3678 antigos e 702 novatos) de Pedrinhas, Riachão do Dantas, Lagarto, Salgado, Itaporanga, Indiabora, Santa Luzia do Itahy, Estância, Boquim, Arauá, Itabaianinha, Tomar do Geru, Cristinápolis e Umbaúba.

Criado em 2009 pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Inclusão Social (Seidh), em parceria com a Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), Sindicato dos Trabalhadores Rurais e secretarias municipais de Assistência Social, o Mão Amiga proporciona renda extra aos trabalhadores rurais durante a entressafra. “A equipe do Departamento de Inclusão Produtiva (DIP) da Seidh estará durante toda a semana, até o dia 30 de novembro, nesses municípios para fazer a distribuição dos cartões aos beneficiários que aderiram recentemente ao programa e as novas senhas aos trabalhadores que já fazem parte”, afirma Maria Auta Arnaldo, técnica do DIP.

No dia 26, a equipe estará em Pedrinhas, Itabaianinha e Salgado. Já na terça-feira, dia 27, será a vez de Lagarto (Colônia Treze) e Itaporanga. Na quarta, dia 28, Indiaroba, Santa Luzia e Estância. Quinta-feira, dia 29, será em Boquim, Arauá e Riachão do Dantas. A semana finaliza na sexta-feira, dia 30, em Tomar do Geru, Cristinápolis e Umbaúba.

A estimativa de investimento para a edição 2018/2019 é de R$ 3.328.800,00 do Governo de Sergipe através da Seidh, por meio do Fundo Estadual de Combate à Pobreza. O benefício corresponde ao valor de R$ 760, pagos em quatro parcelas de R$ 190 durante os meses da entressafra dos cultivos da laranja.

“Na cultura da Laranja, de quando iniciou o programa em 2009 até agora, já foram investidos R$ 30.721.760,00 (já incluindo a primeira parcela que será paga em 2018). A entressafra abrange novembro, dezembro, janeiro e fevereiro, período que compromete os trabalhos dos catadores e a colheita fica suspensa”, complementa Maria Auta.

Ainda de acordo com a técnica, as pessoas que estão pela primeira vez no Mão Amiga devem levar documento original e cópia do RG, CPF e comprovante de residência para fazer abertura de conta no Banese e recebimento de senha e cartão. “Para aqueles produtores que estão com o cartão vencido e desejam pegar um novo, basta ir a qualquer agência do Banese para regularizar a situação e receber um novo cartão gratuitamente para poder sacar a parcela do programa de acordo com o cronograma”, explica.

Para a secretária de Estado da Inclusão e Assistência Social, Mitzy Matos, o Mão Amiga é um programa de distribuição de renda que faz a diferença na vida dos citricultores. “O Mão Amiga agregar a vida do trabalhador rural que tanto sofre na estiagem. O Governo do Estado se preocupa com o homem do campo e sabe da importância que este programa tem para todas as famílias que dependem da colheita”, reforça.